Do prazer ao desespero

Traição – do prazer ao desespero

Provérbios 6:24-35

Traição vem do verbo trair, que significa: enganar, faltar com a verdade, não cumprir o prometido. O traidor decepciona, porque não honra a confiança que alguém deposita em sua pessoa. O traidor dá mostras que possui um caráter corrompido. O traidor é egoísta. O traidor é perverso. O contrário da traição é a fidelidade.
Quem é fiel, continua sendo mesmo que não esteja sendo visto, mesmo que esteja numa situação desagradável. Quem é fiel sabe que precisa usar o advérbio de negação “não” diante das tentações. Quem é fiel sabe a hora de parar e não permitir que as tentações o assole. Quem é fiel cuida de seus sentimentos para não permitir uma sedução extraconjugal. Quem é fiel não se ilude com propostas, aparências ou cantadas de pessoas alheias. Quem é fiel dá valor ao que tem e a quem tem.
A traição, quando se trata do ambiente do casamento, chama-se adultério. Proibido no decálogo, quando o próprio Deus ordenou: “não adulterarás” (Êx 20:14).
O adultério, a princípio, tende a ser prazeroso. No entanto, as coisas mudam. O que parecia doce se torna amargo. O que parecia uma aventura agradável se torna um pesadelo desesperador. O que vem depois do prazer é um altíssimo preço que seus praticantes são obrigados a pagar: “há caminho que ao homem parece direito, mas a fim dá em caminho de morte” (Pv 14:12). O adultério é um tema muito citado na Bíblia.
Salomão mostra no texto básico as consequências a uma pessoa que se entrega a uma vida de traição e adultério:
Empobrecimento, v. 26;
É pior que ser ladrão, v. 30;
É classificado como ignorante, v. 32;
É autodestrutivo, v. 32;
Desprezo, v. 33;
Retribuição furiosa, v. 34-35;
Em Provérbios 7:6-27 mostra a história de uma aventura que termina em desgraça e morte.
Pr. Wanderley da Silva

Deixe um comentário