Uma vida de superação

Nascida em 27 de junho de 1880, no Alabama, ela provou que deficiências sensoriais não impedem a obtenção do sucesso. Helen Keller ficou cega e surda, desde tenra idade, devido a uma doença diagnosticada na época como “febre cerebral” (hoje acredita-se que tenha sido escarlatina). Ela sentia as ondulações dos pássaros através dos cascos e galhos das árvores de algum parque por onde ela passeava.

Tornou-se uma célebre escritora, filósofa e conferencista, uma personagem famosa pelo extenso trabalho que desenvolveu em favor das pessoas portadoras de deficiênciaAnne Sullivan foi sua professora, companheira e protetora. A história do encontro entre as duas é contada na peça The Miracle Worker, de William Gibson, que virou o filme O Milagre de Anne Sullivan, em 1962, dirigido por Arthur Penn (em Portugal, O Milagre de Helen Keller)…

Algumas de suas frases:

“Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar”;

As melhores e mais belas coisas do mundo não podem ser vistas nem tocadas, mas o coração as sente“;

Evitar o perigo não é, a longo prazo, mais seguro do que se expor a ele. A vida é uma aventura ousada ou não é nada“;

“A ciência pode ter encontrado uma cura para a maioria dos males, mas não encontrou qualquer remédio eficaz contra o maior dos males – a apatia dos seres humanos”.

Deixe um comentário