A Provisão de Deus Através do Maná

A provisão de Deus através do maná
Êxodo 16:1-10

Introdução: Podemos enfrentar o deserto, mas nunca seremos abandonados por Deus. Sempre haverá uma porta aberta, um plano divino para superarmos até que alcancemos a realização do nosso sonho, alvo ou objetivo.
O “Senhor proverá” (Jeová Jiré) foi uma expressão usada por Abraão, quando questionado por seu filho Isaque sobre onde estava o cordeiro para o sacrifício, que estavam indo oferecer a Deus no Monte Moriá.
Nosso Deus é um Deus que sempre será nosso “Cuidador”. Ele é nosso Conforto, nossa Âncora, nosso Refúgio e nosso Encorajador. Não hesite em fazer o que diz o versículo: “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1 Pe 5.7).

O texto básico mostra uma ação sobrenatural de Deus, a fim de alimentar e sustentar seus filhos, que estavam no deserto rumo à terra de Canaã, a terra prometida por Deus a Abraão, muitos anos antes. Entre o Egito e a terra de Canaã estava o deserto, que durou 40 anos de peregrinação. O povo experimentou muitos milagres, tais como: travessia do Mar Vermelho, transformação de águas amargas em água doce, água saindo da rocha, codornizes, preservação do vestuário. No entanto, uma das experiências marcantes está na provisão do maná. O que podemos aprender nesse fato? Que lições podemos extrair desse acontecimento?

1) Aquele que serve a Deus pode confiar nele como provedor

Deus é um ser poderoso e capaz de suprir todas as nossas necessidades diárias. Jesus, ao ensinar seus discípulos a orar, inseriu este pedido: “O pão nosso de cada dia nos dá hoje” (Mt 6:11).
“Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (Sl 37:25).
“Agora, sei que o SENHOR salva o seu ungido; ele lhe responderá do seu santo céu com a vitoriosa força de sua destra” (Sl 20:6).
“Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro” (Sl 40:1).

2) Aquele que serve a Deus não pode ser preguiçoso, nem avarento ou egoísta

Embora fosse uma dádiva celeste, cada família tinha de se levantar e recolher sua porção diária toda manhã (1 gomer = 7 litros por pessoa). Aqueles que recolhiam mais do que a porção definida, nada lhe sobrava, pois apodrecia, Êxodo 16:18.
“A preguiça faz cair em profundo sono, e o ocioso vem a padecer fome” (Pv 19:15).
“Pela muita preguiça desaba o teto, e pela frouxidão das mãos goteja a casa” (Ec 10:18).
“O preguiçoso deseja e nada tem, mas a alma dos diligentes se farta” (Pv 13:4).
“O preguiçoso morre desejando, porque as suas mãos recusam trabalhar” (Pv 21:25).
“Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (Lc 12:15).
“Sabei, pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus” (Ef 5:5).

3) Aquele que serve a Deus deve dispor-se a obedecê-lo sempre

Deus havia dado normas para se recolher o maná. Deixar de colher, por preguiça, seria sinônimo de fome; colher demais, por avareza, era perder tempo, pois o excedente apodrecia. Na sexta-feira deviam colher o dobro, caso contrário, jejuavam forçosamente no dia seguinte. Com isso vemos que Deus tinha um propósito didático, preparando o povo para viver bem na terra prometida.
Veja que linda disposição do povo em Êxodo 24:7, que diz: “E tomou o livro da aliança e o leu ao povo; e eles disseram: Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos”.
“… Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros” (1Sm 15:22).
“Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia” (Hb 11:8).

4) Aquele que serve a Deus deve desejar o verdadeiro e suficiente pão espiritual

“Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: não foi Moisés quem vos deu o pão do céu; o verdadeiro pão do céu é meu Pai quem vos dá. Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo. Então, lhe disseram: Senhor, dá-nos sempre desse pão. Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” (Jo 6:32-35).
O maná no deserto era uma provisão literal, cuja finalidade era alimentar fisicamente os hebreus que foram tirados do Egito, mas profeticamente simbolizava o verdadeiro pão do céu, pão espiritual, que deveria saciar a fome espiritual e eterna do homem, Jesus.

Conclusão: Podemos confiar no cuidado e provisão de Deus, desde que estejamos no caminho que Ele traçou para nós. Se você e eu temos promessas divinas, elas podem ser antecedidas por um deserto, mas não precisamos temer, pois fiel é Deus para nos manter firmes e constantes até que seus propósitos se cumpram.

Deixe uma resposta