É DEUS QUEM MOLDA SEUS LÍDERES


2 Tm 3:16-17
INTRODUÇÃO: A palavra eficaz significa ativo, poderoso e forte, incluindo a idéia de preparado e disponível para o serviço.
Liderança santa significa serviço, trabalho árduo, um trabalho recompensador e duradouro. Liderança santa não pode ser o nosso objetivo maior, mas sim um meio visando o fim que é a edificação e preparação do Corpo de Cristo, a divulgação do evangelho e, o que é mais importante, a glória de Deus, Ef 4:12-13.
I – Dependendo de Deus
Mais de dois milhões e meio de pessoas seguiram a Moisés e saíram do Egito, para entrarem no deserto desconhecido. Essa foi uma enorme responsabilidade de liderança – uma responsabilidade que Moisés não buscou (Ex 3).
Moisés começou como um líder relutante. Ele não acreditava que tivesse capacidade ou habilidade para liderar um grupo de pessoas tão grande assim para uma jornada tão importante (Ex 3:11-4:16). Deus, no entanto, viu algo em Moisés que Ele queria usar. As limitações humanas de Moisés não eram um problema para Deus – você também pode ter suas limitações, mas diante de Deus isso não é problema, Ele vai usar você.
Moisés argumentou com Deus sobre o chamado. Ele sabia que não era qualificado para fazer o que Deus o estava chamando para fazer (Ex 3:11-4:16). Ele provavelmente duvidou das suas próprias habilidades e temeu o que aquele chamado poderia envolver. Contudo, Deus prometeu estar com Moisés e fornecer a ajuda de que ele precisava para cumprir a grande incumbência de Deus para ele.
II – Todos nós precisamos ser moldados
Quando Moisés tirou os israelitas do Egito, ele não tinha experiência nos caminhos de Deus com relação à liderança. Deus geralmente coloca as pessoas em posição de responsabilidade antes que elas se sintam prontas ou capazes. Talvez você já tenha sido lançado numa posição de liderança e esteja enfrentando as frustrações ou até mesmo fracassos. Se esse for o seu caso, anime-se!
O fato de recebermos responsabilidades que vão além do nível com o qual nos sentimos confortáveis, frequentemente faz parte do processo de moldagem de Deus. Ele usa épocas de “esticamento” para nos ensinar importantes lições. Essas situações aumentam nossa fé, expandem nossa capacidade e aumentam nossa confiança em Deus. Nessas ocasiões, aprendemos a depender de Deus, Pv 3:5-6.
O Senhor encorajou Moisés, certificando-lhe que os seus temores e fraquezas poderiam ser vencidos através da ajuda e do poder de Deus. Moisés – como todos nós – também precisava de ensinamentos, de ser moldado e da ajuda de outros. Ele precisava desenvolver sua capacitação. Mais importante de tudo, ele precisava de uma dependência muito maior de Deus, do Seu poder e da Sua sabedoria, como ele jamais precisou antes.
III – Capacitação de Deus – não nossa
Deus não escolhe seus servos com base na inteligência, talento ou sabedoria pessoal. Se você está preocupado com o fato de não ter a capacitação para cumprir o chamado de Deus para você, isso é na verdade algo bom.
Na verdade, o apóstolo Paulo nos ensinou exatamente sobre isso: “Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação; visto que não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus (1 Coríntios 1:26-29 RA).
Paulo também citou as razões pelas quais ele poderia ter dependido de si mesmo: a sua vasta instrução acadêmica, o seu zelo, a sua devota linhagem hebraica, a sua obediência à Lei. Contudo, Paulo passou três anos no deserto da Arábia, separando-se dos seus próprios ganhos de acordo com a carne, a fim de verdadeiramente ganhar a Cristo, Gl 1:17; Fp 3:4-8.
Paulo sabia que em seu próprio poder e sabedoria ele não poderia realizar nada eterno. Não foi “em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus” (1 Coríntios 2:4-5 RC). Paulo não estava tentando reunir discípulos para si próprio. Ele queria que todos seguissem a Cristo Jesus, o Senhor. Isso somente poderia ser realizado através do Espírito de Deus, e não pela sabedoria humana.
O sábio servo de Deus reconhece que é preciso mais que a sua capacitação ou experiência pessoal para qualificá-lo para a obra do ministério. É somente através da capacitação de Deus – do chamado, do poder, dos dons e da unção de Deus – que verdadeiramente seremos frutíferos no ministério.
Deus procura os que são leais a Ele – e que são completamente dele – e, então, Ele faz obras poderosas através deles, 2 Cr 16:9. O coração da pessoa, o seu caráter, a sua disposição de depender totalmente de Deus e de obedecer-lhe são as características que a tornam um vaso adequado para uso do Mestre.
CONCLUSÃO: Pelo visto devemos confiar em Deus e não estribarmos em nosso próprio entendimento no tocante ao ministério de evangelismo e discipulado. Deus não escolhe capacitados, mas capacita os escolhidos. Cristo em vós, esperança da glória! Diga: Eu sou chamado por um Deus poderoso, que me compreende, me molda e me capacita para ganhar, consolidar, discipular e enviar.

Deixe um comentário